skip to content

PodCast Rádio Ciência. Culturas e religiosidades dos congadeiros da Estrada Real

Professora Vânia Noronha. Foto_Gláucio Santos

Congado, Reinado, Reisado ou Congadas. Você sabia que existem variações para esta expressão cultural presente em Mariana e Ouro Preto? Além de Minas Gerais, existem registros sobre o Reisado em Pernambuco, Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, desde a colonização do Brasil. De acordo com a pesquisa “Histórias, estórias e memórias dos Negros do Rosário na Rota dos Diamantes da Estrada Real em Minas Gerais” o primeiro registro desta manifestação popular é de 1552. 

Os estudos sobre as memórias dos negros no contexto da Estrada Real foram coordenados pela professora Dra. Vânia de Fátima Noronha Alves, que atua no Departamento de Educação e no Departamento de Educação Física da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Em entrevista na sede da emissora, dia 5 de junho, para o PodCast Rádio Ciência, a pesquisadora fala sobre os aspectos históricos, sociológicos, culturais, religiosos e turísticos do Congado.

A pesquisadora alerta que muitas cidades não estão preocupadas com a manifestação cultural e que, em alguns casos, os eventos não são inseridos no calendário das festas. Em suas palavras, não é visto como um nicho de mercado turístico que pode ser explorado. A estimativa é que existam mais de 500 grupos de congado em Minas Gerais; em Belo Horizonte o quantitativo gira em torno de 40 agremiações. A docente comenta sobre alguns resultados de sua pesquisa:

Foi uma curiosidade que a gente encontrou.

As cidades não estão muito preocupadas com a manifestação.

Olhe aí o símbolo de resistência.

Os congadeiros fazem e mantém a manifestação, mas as cidades de um  modo geral - algumas até que sim, não reconhecem isso, às vezes nem coloca no calendário de festas das cidades.

Não contribui com a Guarda. Isso é uma queixa muito grande dos próprios congadeiros.

Não é um nicho, vamos dizer assim, de mercado turístico para as cidades. 

A professora Vânia de Fátima Noronha Alves fala também de Chico Rei, homem que foi escravizado ao ser trazido da África. De acordo com a docente, ele não é reconhecido pelas Guardas de Congado de Belo Horizonte, mas destaca que existe uma construção histórica na cidade de Ouro Preto que o considera um mito heróico na luta pela libertação dos escravos, de seus irmãos, no século 18.  A entrevista foi concedida ao jornalista Gláucio Santos, dia 5 de junho, na sede da Rádio UFOP Educativa, no Campus Universitário Morro do Cruzeiro. 

Conheça outros episódios do PodCast Rádio Ciência

Roteiro e Redação: Marina Martins e Gláucio Santos / Reportagem, Fotografia e Supervisão de radiojornalismo: Gláucio Santos / Captação de áudio, Edição e Sonoplastia: Simei Gonderim / Marina Martins é estudante de Farmácia da UFOP e atua como bolsista nos processos formativos da emissora. 

Você confere novos episódios às segundas-feiras, a partir das 8h, aqui no site da emissora.

Últimas notícias

Entrevistas Rádio UFOP

19 Setembro 2022

Entrevistas realizadas com participantes renomados da Universidades para abordar questões importantes da atualidade, de eventos culturais, artísticos e educativos realizados na região. CAMAPANHA - SETEMBRO AMARELO Entrevistado: Professor Ricardo Moebus Data: 21/09

UFOP Notícias

19 Setembro 2022

UFOP Notícias é um boletim diário informativo com notícias da cidade de Mariana e seus distritos, Ouro Preto e a UFOP e região dos Inconfidentes. Aperte o play e ouça agora!! UFOP NOTÍCIAS - ELIS CRISTINA - 05 de Setembro 00_reportagem_adriana_moreira_e_elis_cristina_1.mp3 UFOP NOTÍCIAS - ELIS CRISTINA - 12 de Setembro...